fbpx
Se calhar o que vou aqui dizer é capaz de cheirar a obtuso a quem não está tão por dentro da catequética. Mas mesmo assim lá vai. O vaticano II e o pós-vativano II têm insistido muito (e bem) na unidade da pastoral.
Pastoral é tudo aquilo que a Igreja faz na continuidade dos gestos salvadores de Jesus e animada pelo Espírito do Ressuscitado.
Isto foi um grande adquirido. Alfabetizar é tão pastoral como rezar o breviário.
Mas surgiu um efeito inesperado. É que este sentido de unidade tornou-se, em muitos campos, igualitarismo: Se alfabetizar, defender os direitos humanos dos povos é o mesmo que rezar... já não é preciso rezar. Ou considerar que a Eucaristia é a expressão mais alta de louvor e eliminar todas as outras.
Penso que esta standartização nunca esteve na intenção do concílio.
E ela tornou-se ainda mais perniciosa quando as comunidades cristãs se tornam mais plurais: etnicamente e culturalmente.
Antigamente, acabava por haver, nas paróquias, mais variedade de ofertas (ao menos ao nível ada liturgia): havia a missa que poucos entendiam, novenas disto e daquilo, adoração ao Santísimo... Hoje parece que só se pode celebrar a Eucaristia. Mas como as pessoas persitem em ser diferentes, em ter caminhadas humanas e de fé também diferentes, as pessoas não usufruem da mesma forma da liturgia.
E aí alguns começam a gritar: Há que inculturar, adaptar a liturgia às pessoas reais.
Ao que outros, assustados com algumas barbaridades litúrgicas, respondem: com tanta inculturação ainda acabamos a celebrar com coca-cola!

Exemplos semelhantes podem ser encontrados em todas as áreas da pastoral.
Se calhar em Portugal não se nota tanto porque somos gente pacata (ou desinteressada), mas lá fora estas questões trazem sérios conflitos e graves divisões às comunidades.

Qual é o problema?
Parece-me que por detrás de ambas as posições está a convicção da verdade única.
Tendem ambos os partidos a achar que só há uma forma de estar na Igreja.
Ou se está ou não está na Igreja. E para quem está na Igreja (tratados todos com a mesma medida) aplica-se o mesmo tratamento (na liturgia, na oração, na catequese...)

Ora isso não é verdade.
A noção de iniciação cristã ajudou-nos a perceber que há um caminho a fazer até à maturidade da fé.
E a tradição e os documentos do magistério (directório de catequese, ritual de iniciação cristã de adultos...) insistem em tratar de modo diferente o que é diferente.

Não tem sentido nenhum propor/obrigar alguém que não é adulto a comer comida de adulto. Não tem sentido alimentar um adulto a papas de 3 meses.

Exemplo: A Eucaristia é o que é. Claro que deve ser feita toda a inculturação (para cumprir o critério da dupla fidelidade à revelação de Deus e ao destinatário). Mas ela só tem sentido para quem tem a fé adulta da Igreja.
Imagina agora um par de noivos, vagamente cristãos, que pedem missa no casamento para ficar bonito. O padre bem pode esforçar-se por ser significativo mas os factos são irredutíveis. Celebra quem tem fé e é capaz e quer unir-se ao Cristo presente no altar. Não seria preferível tentar outra coisa mais adaptada a estes noivos? Para respeitar as suas opções, os seus ritmos de caminhada? E para respeitar a verdade da Eucaristia?
Não se trata de descriminar ninguém. A verdade é que eles até terão alguma fé. Não será que uma celebração da Palavra não seria mais adequada.

Há anos combatia-se a ideia de uma Europa a duas velocidades.
Não será tempo de aceitar que as pessoas caminham na fé a diferentes velocidades.
O Cristo para quem caminham, O Reino que tentam construir é sempre o mesmo.
Mas aquilo que faz sentido em cada momento varia conforme o grau de caminhada.

Aterrando na catequese...
Se a pessoa está em fase de conversão, que sentido tem discutir a dimensão escatológica da doutrina social da Igreja?
Não será preferível respeitar o seu ritmo, estimulá-lo e não impor-lhe a aparência de fé e uns conteúdos que são apenas noções e não vivida e sentido?

Parece que andamos à procura da catequese perfeita para tudo em todos os tempos.
E os documentos do magistério têm-nos ajudado a ver que isso não faz sentido. Até o documento "Para que acreditem e tenham vida" fala disso.

Há etapas diferentes, com objectivos e conteúdos diferentes, com métodos diferentes, com ritmos diferentes, com pautas de avaliação diferentes.

É esta capacidade de distinguir que permite ao mesmo tempo preservar a unidade da acção eclesial (a pastoral ou a evangelização) e o respeito pela crescente pluralidade de situações.

E é interessante observar como tantas igrejas evangélicas vão aceitando este conceito assumindo a sua origem católica.

Por isto tudo passo-me quando me aparece alguém quepede que os novos catecismos sejam capazes de fazer ao mesmo tempo primeiro anúncio, catequese e discernimento vocacional.

Passo-me quando o 1º volume, que era suposto servir como despertar religioso, (para se justificar?) mete lá mais conteúdos do que muitos livros de teologia.
Cfr catequese 27 (parece-me) sobre a oração: para falar da oração vão buscar Maria a rezar o magnificat.
Não será areia de mais para a camioneta dos miúdos?

Passo-me quando se persiste em falar DA (única) pastoral juvenil. Como se não houvesse jovens que nunca ouviram falar do Evangelho ou que estão cheios de preconceitos, jovens depois de escutar o primeiro anúncio se vão convertendo, jovens que procuram aprofundar as razões da sua opção por Cristo através da catequese, jovens que com autonomia se integram na vida e acção das comunidades.

Siga-nos

Visite as livrarias

Quem Somos

Somos uma editora católica, fiel ao carisma de S.João Bosco. Especializados em catequese e pastoral juvenil, estamos em Portugal há quase 70 anos. "Educação e Evangelização" é o nosso lema. Temos lojas próprias nas cidades do Porto, Lisboa e Évora e estamos presentes nas principais livrarias católicas portuguesas.

Contactos

Rua Duque de Palmela, 11
4000-373 PORTO

(+351) 225 365 750

edisal@edicoes.salesianos.pt